sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Meu white pigeon




Esse peixe, peguei com o Diego do Forum Aquario (di.straido), peixe que é mto bonito, rs um pouco autoritario ele é... mas vale a pena, a galera do aquario ja esta aprendendo que ele é quem manda na galera...

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Limnophila Aromatica






Nome:Limnophila Aromatica

Dificuldade: Moderada

Necessidade de Luz: Alta

Estrutura da Planta: Ramo

Família: Scrophulariaceae

Gênero: Limnophila

Continente: Ásia

Região: Sudeste da Ásia

País de Origem: Sudeste da Ásia


Tamanho: de 25 a 50 cm de altura

Tamanho das Folhas: 5 a 8 cm

Ritmo de Crescimento: Mediano

Temperatura: 22º a 28º
Dureza Tolerada da Água: água muito mole a neutra

Tolerância de pH: 5.0 a 7.0

Pode ser criada Emersa: Sim
As inúmeras variantes das espécies de Limnophila Aromática podem ser encontradas em locais pantanosos ou em poças lodosas em sua região nativa no Sudeste da Ásia. É uma planta relativamente “nova” no aquarismo em geral, ela foi muito vendida nos EUA com o nome de “Gratiola officinalis” erroneamente




Iluminação é o aspecto mais importante para cultivar com sucesso a L. aromática, no entanto os nutrientes e os compostos de carbono não devem ser esquecidos. Injeção de CO2 é necessário para um bom desenvolvimento, justamente com uma freqüente fertilização com Nitrato, Fosfato e MicroFerro é especialmente importante para uma boa coloração das folhas.
Um substrato rico em nutrientes acelerará o seu crescimento ainda mais sendo comum esta espécie desenvolver um excelente sistema de raízes. A limitação de Nitrato ou o excesso de Fosfato produzem folhas com coloração agradáveis. No entanto, mesmo em boas condições, o seu crescimento é relativamente lento. A criação emersa da mesma é possível e bem fácil de conseguir usando um substrato rico em nutrientes e que sempre esteja úmido. As plantas que chegam até a superfície da água automaticamente começarão a produzir folhas no estado emerso. No Vietnam, as folhas desta espécie são usadas como especiarias para a comida e também são muito usadas para fazer chá verde aromático.
Com suas lindas cores, L. aromática é muito utilizada no aquarismo como o ponto focal do aquário. Ela se destaca muito bem contra um fundo escuro ou juntamente com espécies pequenas, com folha verde claro brilhante

Polygonum sp. 'SAO PAULO'



Dificuldade: Moderada
Necessidade de Luz: Médio alta
Estrutura da planta: Caule
Família: Polygonaceae
Gênero: Polygonaceae
Região: América do Sul
Localização: São Paulo e região – Brasil
Tamanho: Cerca de 15 cm
Ritmo de Crescimento: Rápido
Pode ser criada Emersa: Sim
Polygonum sp. 'Sao Paulo' é uma excelente adição ao hobby vinda diretamente do Brasil. No presente momento, o nome correto dela é desconhecido. Sob as condições ideais, é a espécie com a cor mais intensa e forte disponível para o aquapáisagismo e pode ser encontrava em vários lugares para venda.
Não sendo uma planta recomendada para aquários Low Tech, Polygonum sp. 'Sao Paulo' tem um excelente desenvolvimento em aquários com injeção de CO2 e de luz forte, tipos de aquários que se tornaram muito populares atualmente. Particularmente esta planta tem um grande desenvolvimento para aquário montados especificamente para Toninas em geral. Para alcançar a sua coloração máxima e crescimento saudável é recomendado direta iluminação (Hqi, T5 e power compact). Muito importante também é um bom volume de Ferro e Fosfatos no aquário, em torno de 1ppm ou mais.Conforme cresce o seu uso no aquapaisagismo, talvez o maior desafio ao utilizar esta planta é utilizá-la em excesso... apenas alguns caules já são o suficiente! Polygonum sp. 'Sao Paulo' possui o estilo rígido e fino das Polygonum o que faz com que um bom uso para a mesma seja posicionada em frente à um bom fundo preto ou então a frente de plantas de tons verde claro, tendo um efeito sensacional.
Mesmo seu uso emerso é interessante para paludários e afins. Com as suas fortes cores de tons avermelhados e púrpuras é uma excelente escolha para se usar na frente de plantas de tom verde claro. Seu florescência ocorre tanto imersa como emersa o que deixa o layout de seu aquário muito mais atraente.

Anubia barteri "nana"


Dificuldade: Muito Fácil

Necessidade de Luz: Fraca

Estrutura da Planta: Rizoma

Família: Araceae

Gênero: Anubias

Região: África

Localidade: Camarões

Tamanho: de 5 a 15 cm (folhas)

Ritmo de Crescimento: Lento

Pode Ser Criada Emersa: Sim

No aquário, esta planta é quase indestrutível (chamada frequentemente “a planta plástica que cresce”). O corpo desta planta é composto de um rizoma rastejante que produz as folhas que podem durar por anos.
Pode tolerar uma grande variedade de condições de iluminação de muito baixo (mais menos de 1 watt por o litro) a muito forte (mais de 4 watts por o litro). Cresce bem com ou sem CO2, embora a adição do CO2 promova um crescimento mais rápido como também um substrato fértil e a remoção das folhas mais velhas. Os níveis elevados de Fosfato (1.5 - 2 ppm) parecem incentivar a floração nesta espécie não obstante condições do tanque ou a saúde da planta.
Para reproduzi-la, simplesmente corte o rizoma em duas ou mais partes dependendo do tamanho da planta, com um corte simples e limpo.
Esta planta pode ser usada na porção central do layout em aquários de tamanho médio ou como uma planta de primeiro plano em aquários grandes. Ao plantar no substrato, não enterrar o rizoma ou ela morrerá. Estas plantas podem também ser amarradas à troncos e à rochas usando linha da pesca ou a linha do algodão. Com o tempo, ela se fixa fortemente no tronco ou rocha que estiver amarrada, ficando de uma maneira que se as linhas se soltarem ela continue bem presa.

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Discos - Novos moradores!



Hoje, chegaram os novos disquinhos, provenientes da troca da minha blue turquesa...
Curti, o aquario deu uma acalmada, por enquanto estao se entendendo... tirou aquele climao, do aqua...
Agora é cuidar dos bichos!
Valeu Reinaldo do FA, e boa sorte tbem com os discoes!!!


Bom carnaval!!!

Troco Blue Turquesa X 2 disquinhos


Troco Blue Turquesa X 2 disquinhos
Troco femea (acredito) de disco Blue Turquesa
12 cm por dois filhotes de disco ( exceto white pigeon e panda),
somente ABC e SP.

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2009

APHYOSEMION AUSTRALE GOLD

Devido à sua bela coloração e facilidade de reprodução, o Aphyosemion australe é sem dúvida o killifish mais popular em todo mundo, sendo um dos peixes responsáveis pela grande popularização do hobby nos últimos 30 anos. Encontrado na região litorânea do Congo e Gabão (África), são conhecidas, hoje, cerca de 11 populações diferentes. Alguns autores sugerem que algumas populações sejam consideradas sub-espécies (Aphyosemion autrale hjerreseni), mas a maioria dos estudiosos da área considera três variações desta espécie. -Aphyosemion australe -(Cap Lopez )- população original -Aphyosemion australe chocolate - variedade desenvolvida em aquário - possui a coloração parecida com a de um chocolate. -Aphyosemion australe laranja - variedade desenvolvida em aquário - possui coloração alaranjada, inclusive as fêmeas são monocromáticas laranjas. A primeira notícia da aparição deste peixe em aquário data de 1913 na Alemanha, eram peixes provenientes da região de Kap Lopez no Gabão, sendo considerado na época uma variação de Aphyosemion calliurus, mas em 1921 Rachow o descreveu como uma nova espécie. Classificação: Ordem - Cyprinodontiformes Família - Aplocheilidae Gênero - Aphyosemion Etmologia - Aphyo = pequeno peixe, semion = flâmula Espécie - australe - peixe comum ao sul do equador. Localidade típica: Kap Lopez - próximo a Cap Gentil, noroeste do Gabão (08º 38'E ;00º 40'S). Habitat natural: Habita pequenos rios dentro da floresta tropical, no litoral Africano e perto do mar. A água é de coloração escura com a temperatura em torno dos 23º C, possui baixa concentração de sais minerais dissolvidos, pH = 6.5 e GH menor de 1, há plantas de superfície da espécie Ceratopteris sp. onde os peixes as usam de abrigo e meio de reprodução. Vive simpátrica, isto é, junto com outras espécies de peixes, como A. simulans e Ep. sexfaciatus. Descrição: Possui o corpo alongado com coloração escura variando do vermelho para o marrom. As nadadeiras dorsal e anal possuem prolongamentos filamentosos e a nadadeira caudal é em lira (há uma variedade de coloração entre as populações, esta descrição se baseia na população da localidade típica). Reprodução: Como já foi citado é um peixe bastante fácil de se reproduzir, resistente no aquário e recomendado para iniciantes. Em um pequeno aquário de 15 litros com cascalho de rio ao fundo, recomenda-se colocar um macho e duas fêmeas, mas há aquaristas que preferem colocar um casal para a reprodução. Colocamos também uma bruxinha (Lã acrílica presa a um isopor imitando raízes de plantas flutuantes) onde será feita a desova. Após a adaptação dos peixes ao aquário, o macho levará a fêmea até a bruxinha onde com o corpo em forma da letra "S" forçará a fêmea a desovar . Os ovos ficam fixados na bruxinha, possuem cerca de 1.5 mm e são cristalinos. Após 20 dias os filhotes nascem e já comem náupilos de Artêmia, após 5 meses já começam a apresentar dimorfismo sexual. Vivem cerca de dois anos. Os peixes que atualmente estão nos aquários brasileiros são descendentes de casais que chegaram por aqui no começo dos anos 80. De lá para cá inúmeras gerações foram criadas, mas sem que a espécie apresentasse degeneração genética.

terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

Red Crystal on the rocks.

Eita bichinho simpatico!!!

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2009

Limnophila aquatica



Nome Popular:Ambulia Gigante
Nome Científico: Limnophila aquatica
Família:Scrophulariáceas
Habitat:Ásia
pH:6.0 a 8.0
GH:4 - 10
Temperatura:22º a 28ºC
Substrato fértil:Sim

Iluminação:Forte

CO²:Sim

Porte:50cm
Posição no aquário: Fundo
Manutenção:Fácil

Reprodução:por estaquia


Características:
Planta semelhante à Limnophila sessiliflora ,com folhas maiores e caule mais grosso. Necessita de injeção de CO2 e iluminação intensa para um bom crescimento.Indiferente quanto à substrato , retira os nutrientes da água pelas folhas.Deve ser plantada em grupo , no fundo do aquário.Pode florescer ao atingir a superfície do aquário.

Rotala sp. "vietnam"



Nome Popular:Rotala sp. "vietnam"
Nome Científico: Rotala sp. "vietnam"
Família:Lythraceas
Habitat:Vietnam
pH:5.5 a 7.0
GH:4 a 12
Temperatura:22º a 28ºC
Substrato fértil:Sim

Iluminação:Intensa
CO²:Sim

Porte:30cm
Posição no aquário:Meio
Manutenção: Média
Reprodução:por estacas


Características:
Sob iluminação moderada ficará verde ,com talos avermelhados.Sob luz intensa adquirirá aspecto dourado.Necessita de CO2 , fosfato (1 a 2 ppm) ,ferro e micro-nutrientes para bom desenvolvimento.Sob boas condições , ramifica-se fácil ,formando moitas.Usada na parte intermediária do aquário.

Rotala sp. Green



Nome Popular:Rotala green
Nome Científico: Rotala sp. Green
Família:Lythraceas
Habitat:Ásia
pH:5.5 a 8.0
GH:1º a 12º gH
Temperatura:23º a 30ºC
Substrato fértil:Sim

Iluminação:Média
CO²:Sim

Porte:20cm +
Posição no aquário: Meio
Manutenção:Fácil
Reprodução:Por estaquia


Características:
Rotala sp. 'Green' se espalha fácilmente por mudas laterais que sobre boas condições são numerosas. Basta retirar uma ponta da planta e replantá-la que se tem uma nova muda. Podas contínuas a fazem formar uma moita bastante densa já que assim que cortada lança novas mudas das antigas mudas enraizadas. A planta tolera pouca luz mas vai melhor em condições de alta iluminação. Requer podas constantes e fertilização adicional para prover nitratos e ferro a planta.

Rotala repens

Nome Popular:Rotala repens
Nome Científico: Rotala repens
Família:Lythraceae
Origem:Brasil
pH:6.0 - 7.5
GH:--
Temperatura:20 - 30ºC
Substrato fértil:Sim
Iluminação:Intensa
CO²:Sim
Porte:15cm
Posição no aquário: Meio
Manutenção: Média

Rotala Nanjenshan





Nome Popular:Rotala Nanjenshan
Nome Científico: Rotala nanjenshan
Família:Lythraceas
Habitat:Sudeste Asiático
pH:5.5 a 8.0
GH:5º a 15º
Temperatura:20º a 30º
Substrato fértil:Sim

Iluminação: Forte

CO²:Sim

Porte:15cm +
Posição no aquário: Meio
Manutenção:Media

Reprodução:Por estaquia


Características: Planta graciosa com folhas pontiagudas esverdeadas. Requer uma quantidade relativamente grande de luz, e a adição do CO2 é recomendada para promover o crescimento.Também conhecida como Mayaca sellowiana.

Marsilea quadrifolia

Nome popular: Trevo de quatro folhas
Nome cientifico:Marsilea quadrifolia
Familia: Marsileaceae
luz:intensa
pH:Indiferente
temperatura:Águas tropicais
dH : Água pouco mineralizada
substrato : Rico
habitat: Emersa ou submersa
altura: Variável
diâmetro: Variável
flor: Inexistente
origem: Centro e sul da Europa
Obs: Um suco feito das folhas é diurético e antitermico. Ele também é usado para tratar a picada de cobra e aplicada em abscessos A planta é anti-inflamatório, diurético, depurativo e antitermica.

Utricularia Graminifolia


Nome Popular: Utricularia Graminifolia
Nome Científico: Utricularia graminifolia
Família: Lentibulariaceae
Habitat: Sudeste asiático
pH: 6.0 a 7.0
GH: --
Temperatura: 20º a 30ºC
Substrato fértil: Sim
Iluminação: Forte
CO²: Sim
Porte: 7cm
Posição no aquário: Frente
Manutenção: Média
Reprodução: Fragmentos da planta, mudas laterais, sementesCaracterísticas: É uma planta carpete relativamente nova no aquarismo plantado, como todas utricularias é uma planta carnívora, aceita emersão onde solta lindas flores. É uma planta exigente como todo carpete, precisa de CO2 e é interessante um replantio de novas mudas para se espalhar melhor pelo aquário

Riccardia


Nome comum: Riccardia
Nome Cientifico:Riccardia graeffei
Nome popular: Mini-pelia ou Coral Pelia.
Família: Ricciaceae
Continente:Ásia
Altura:1-3 cm
Largura: 3-5 + centímetros
Iluminação: Fraca
Temperatura :15-28 °C
tolerancia 'a Dureza :meio-dura
pH tolerância 5,5-9
Crescimento: muito lento
Dificuldade: Alta
CO2: Sim, acelera seu crescimento, porem nao é necessario.

Diplis diandra

Diplis diandra
pH: 6,0-7,5
T°C:20-28°C
Dureza da água: Baixa/Média
Luz: Média/Alta
Origem: América do Norte
Reprodução: por estaquia
Características: Planta anfíbia de crescimento relativamente rápido. Apresenta grandes alterações na sua forma e cor durante a adaptação, tornando-se as folhas mais estreitas e delgadas e sua cor acastanhada ou avermelhada nas suas extremidades dos caules. Atinge uma altura de até15cm, produzindo ótimo efeito decorativo nas partes médias do aquário. Pertence a família das Lythraceae e é uma das poucas plantas que florescem submersas, possuindo diversas formas e cores, tudo dependendo das condições da água e iluminação.Uma planta que muda muito, tanto no formato e espaçamento de suas folhas como na cor, conforme as condições que encontra, o que a torna um desafio ainda maior para os aquapaisagistas. Indicada para o meio do layout, devendo ser plantada sempre em grupos para conseguir o maior impacto visual. Uma das poucas plantas que florescem submersas, ainda que muitos não o percebam visto o tamanho diminuto de suas flores. É necessária a injeção de CO2 e fertilização líquida regular para que a planta mostre toda a sua beleza.

Aldrovanda vesiculosa

Nome: Aldrovanda vesiculosa
Origem: Europa, Índia, Austrália, África, Japão
Cuidado:Difícil
Cascalho:Nenhum
Iluminação:Forte
Pertencente a família Droseraceae, a Aldrovanda é uma "Planta Carnívora Aquática", com armadilhas ativas! De pequeno porte, alcança pouco mais de 1 cm de diâmetro com ramos de aproximadamente 20 cm.Por ser extremamente sensível à poluição, infelizmente está listada sob risco de extinção. Sendo que a variedade japonesa é dada como praticalmente extinta no seu habitat natural, restando poucos espécimes salvos pelas mãos do cultivo comercial. Entre as plantas australianas há variedades de um belo tom avermelhado. Apesar dos muitos relatos afirmando a necessidade de presas vivas e de um período de dormência no inverno, pois é nativa de regiões de clima temperado, eu tenho obtido pleno sucesso no cultivo destas plantas utilizando apenas as técnicas já consagradas para cultivo de plantas em aquários (iluminação artificial adequada, injeção de CO2, fertilização com nutrientes-traços e um rigoroso combate e profilaxia contra algas) sem jamais lhes ter oferecido presas e mantendo-as, por mais de dois anos, sem um período de repouso em águas mais frias. As minhas plantas estão em aquários com constantes 24-26ºC, sendo que no verão, sob 28-31ºC, já obtive florações com formação de frutos e sementes! É uma planta flutuante, não podendo de forma alguma ser fixada ao substrato, pois rapidamente a parte inferior se deteriora. Na falta de CO2 e nutrientes-traços a planta torna-se atrofiada e não forma armadilhas. Não suporta algicidas ou produtos a base de cobre, e nem tolera a competição com algas.

Bacopa Caroliniana

Bacopa Caroliniana
luz Alta
Ph Preferencialmente ácido
temperatura moderada
Prefere água mole
Substrato- Rico e sem compostos nitrogenados
Movimentação da água -Desde que ancorada ou enraizada, não lhe é prejudicial
Habitat-Emersa ou submersa
Manutenção- Relativamente fácil
altura-Variável
diâmetro-3-4 cm
flor- Axilares
origem USA
ObservaçõesTem peso especifico baixo, o que torna dificil mantê-la fixa ao substrato( dica: amarrar em pedras pequenas que servem de ancora)detalhes específicosApesar de pertencer ao grupo de plantas com uma certa demanda por luz, esta planta é em outros aspectos pouco exigente.Pode ser cultivada em águas um pouco mais frias tanto quanto em aquários tropicais e mesmo em paludários, sendo porem um pouco sensível a temperaturas altas e constantes. Se desenvolve melhor em água mole do que em água dura sendo porem bastante tolerante. Para se obter um efeito visual melhor, deverá ser disposta em modo de terraço ou varanda na parte frontal ou intermediária do aquário. Durante o verão é possível ser cultivada na orla de lagos, ocasião em que irá florescer sem dificuldade e poderá se reproduzir facilmente.

Nuphar japonica

Nome Popular: Nuphar japonica
Nome Científico: Nuphar japonicum
Família: Nymphaeaceae
Habitat: Japão
pH: 5.5 a 7.5
GH: 2º a 12º
Temperatura: 18º a 28ºC
Substrato fértil: Sim
Iluminação: Intensa
CO²: Sim
Porte: 40cm
Posição no aquário: meio
Manutenção: media
Reprodução: Por semente e brotação lateral
Características: Planta de folhas grandes ,verde-claras com seções transparentes.Gosta de substrato fértil ,CO2 e muita iluminação.Propaga-se por sementes.Usada no meio de aquários grandes , de forma solitária. Muito resistente á algas.

Cryptocoryne wendtii


Nome popular: Cryptocoryne wendtii
Nome científico: Cryptocoryne wendtii
Família: Araceae (Aráceas)
Origem: Sri Lanka
Crescimento: lento
Plantio: grupo
Iluminação: 0.5 W/L
pH: 6.2 a 7.2
Temperatura: 24 a 28ºC
Dificuldade: Fácil/média
Porte: médio
Zona: frente Reprodução: por estolho Adapta-se bem em diversas condições. A cor das folhas depende da iluminação variando de verde oliva a verde e marrom. Existem muitas variedades tais como a "mi oya", "tropica" e "brown"

Eleocharis minima(Eleocharis parvula)

Nome: Eleocharis minima
Nome Cientifico: Eleocharis parvula
luz : Aceita várias intensidades de luz
pH : 5,5 a 8,0
temperatura:entre 18 a 28° C
dH:indiferente
substrato: preferencialmente rico
movimentação da água :Parece favorece-la
habitat : emersa ou submersa
manutenção:fácil
altura: variável dependendo da luz 3 a 5cm
diâmetro:entre 2 a 4cm flor:pequena
origem:cosmopolita

observações: É mais baixa e muito mais rápida que a Eleocharis minima para formar o carpete, mas depende de outros fatores como luz, substrato e talvez até parâmetros da água. Talvez por isso haja muita controvérsia de que fique alta em alguns aquários e menos alta em outros. Quanto maior a incidência de luz mais baixa fica.detalhes específicos : planta de crescimento e perfilhamento muito rápido.

Microsorum pteropus ''Windelov''

Nome:Microsorum pteropus ''Windelov''
Dificuldade: Fácil
Necessidade de Luz: Baixa
Estrutura da Planta: Musgo / Feto
Família: Polypodiaceae
Gênero: Microsorum
Região: Cultivar
Localidade: Ásia
Temperatura: 18º a 30º
Tolerância de pH: 5.0 a 8.0
Tamanho: 10 a 20 cm (folhas)
Ritmo de Crescimento: Lento
Pode ser criada emersa: Sim

A Microsorum pteropus “Windelov” é uma variedade patenteada de Microsorum pteropus, registrada pelo fundador da Tropica, Holger Windelov. As pontas de suas folhas finamente ramificadas fazem com que ela seja uma das plantas mais bonitas para aquários. É uma planta que é de cultivo fácil, mas ao mesmo tempo pode ser complicada para os iniciantes do hobby se não prestarem a devida atenção para alguns detalhes. Tem se obtido melhores resultados com essa planta fixando suas raízes em pedras e troncos. Ela pode ser plantada no substrato, mas seu rizoma não pode ser enterrado senão ela poderá morrer. Outro comportamento que nota-se com essa planta é que ela é sensível à mudanças bruscas de ambientes ou da qualidade da água onde se encontra, podendo até ocorrer o “melting” (derretimento) dela se não for bem adaptada. Geralmente essas plantas não são apreciadas por peixes herbívoros.

Pogostemon helferi


Pogostemon helferi
Família: Lamiaceae
Continente de origem: Ásia
Altura: 2~10 cm.
Largura: 5 a 10 cm.
Iluminação: Média a muito intensa.
Temperatura: 20~30 °C
PH: 6~7,5
Velocidade de crescimento: médio
Cuidados e manutenção: muito difícil
Comentários:Planta descoberta recentemente por aquaristas da Tailandia, próximo à fronteira com Burma, que desafia os mais experientes aquapaisagistas. De coloração verde-claro e folhas crespas, forma pequenas estrelas que vão se propagando por brotos laterais, formando um carpete muito interessante. Indicada para a parte frontal do layout, onde será uma atração especial. Necessita de substrato fértil, fertilização líquida, CO2 e iluminação de qualidade. Ainda assim, muitas vezes a planta começa a se desfazer sem motivo aparente. Muito sensível a alterações bruscas nos parâmetros da água, portanto evite trocas parciais muito volumosas. Conhecida pelo nome popular "Daonoi" (pequena estrela) na Tailandia.Aos que desejam mantê-la em seus aquários, só podemos dizer: BOA SORTE!Fonte Aquabase.

Lomariopsis lineata - "Round pelia", "Loma fern".

Nome:"Round pelia", "Loma fern".
Família: Lomariopsidaceae
Continente de origem: Ásia
Altura: 1 cm.
Largura: 1 cm.
Iluminação: média a intensa
Temperatura: 22~28 °C
PH: 5~8
Velocidade de crescimento: médio
Cuidados e manutenção: médio
Comentários:Esta planta, se é que podemos chamá-la assim, pois na verdade é um gametófito de pteridófita que por alguma razão ainda desconhecida não se transforma numa planta adulta, e sim, propaga-se mantendo o mesmo aspecto, que muito lembra uma alga marinha. É uma "planta" pouco exigente, mas se mantida em aquários com boa iluminação, CO2 e fertilização líquida, propaga-se com bastante rapidez. Em termos de utilização no aquário plantado, deve ser tratada como a Riccia fluitans, pois como esta última, não possui estruturas de fixação, devendo ser amarrada a troncos ou pedras com uma fina linha de nylon. Ao contrário da Riccia, a Lomariopsis lineata não flutua, mas se não for devidamente amarrada vai ficar "passeando" pelo aquário!Sua correta identificação é recente, e até hoje é confundida com Monosolenium tenerum, planta realmente muito similar. O mundialmente renomado aquapaisagista Jan Ole Pedersen em sua visita ao Brasil no ano passado, quando esteve no Studio Aquabase foi quem fez a correta identificação da "planta" que mantínhamos em um de nossos aquários em exposição, e foi para ele uma surpresa encontrá-la num aquário brasileiro.Seu nome popular já foi "Round pelia", mas atualmente é mais conhecida por "Loma fern".

Rotala macrandra


Nome: Rotala macrandra
Família: Lythraceae
Continente de origem: Ásia
Altura: 25-50+ cm.
Largura: 2-7 cm.
Iluminação: intensa a muito intensa. (>1 watt/L)
Co2: Sim
Temperatura: 22~28 °C
PH: 5~7
Velocidade de crescimento: rápida
Cuidados e manutenção: difícil
**Planta que além de necessitar de uma boa iluminação, sempre precisa ficar de olho, a respeito de podas.... é exigente ao extrema, um desafio para aquarista, na minha opinião!(Pablo)
*** a minha tara... nao existe rotala macrandra, sem injeção de gas carbonico (Daniel)

BOLBITS

Nome:Bolbitis
Nome científico: Bolbitis heudelotii
Família: Lomariopsidaceae (Lomariopsidáceas)
Origem: África (oeste)
Crescimento: lento
Plantio: solitária ou grupo
Iluminação: 0.5 W/L
pH: 5.5 a 7.0
Temperatura: 20 a 28ºC
Porte: médio a grande (15 a 40cm)
Zona: meio ou frente
Reprodução: divisão do rizoma
Temperatura: 20 a 28ºC

Obs: Geralmente sao fixadas em rochas ou troncos.

Glossostigma Elatinoides


Nome Popular: Glossostigma elatinoides
Nome Científico: Glossostigma elatinoides
Família: Scrophulariáceas
Habitat: Nova Zelândia
pH: 5.5 a 7.0
GH: até 8
Temperatura: 15º a 27ºC
Substrato fértil: Sim
Iluminação: Intensa (>1,0 watt/litro)
CO²: Sim Porte: 4cm
Posição no aquário: Frente
Manutenção: Difícil
Reprodução: por estolhos
Características: Planta rasteira , com nós enraizantes , com 2 folhas opostas por nó , espatuladas e de cor verde (de tom mais escuro quanto maior for a incidência de luz).Muito usada como carpete , chega hoje a ser considerada um símbolo de status aquarístico.Os mais pedantes a chamam de “Gloss”.Em profundidades maiores (acima de 40 cm) é de difícil crescimento.Necessita de CO2 ,forte iluminação, fertilizações líquidas e substrato rico , de granulação fina que facilite seu enraizamento.
Na ausência desses fatores pode apresentar crescimento para cima , em busca de luz e amarelamento das folhas.Podas regulares parecem favorecer seu crescimento.
Na forma emersa , pode apresentar pequenas flores brancas.
A Glossostigma Elatinoides, uma das menores plantas de aquário, é considerada um tipo de erva que é encontrada crescendo nos pântanos e em áreas inundadas na Austrália. Pode ser diferenciada da espécie G. diandrum, que tem quatro estames dentro da flor em vez de dois. Na década de 80, Takashi Amano descobriu esta planta (na época) incomum e impopular ao ler uma matéria da revista European Aquarium Style Magazine. Com estes espécimes importados, criou os primeiros aquários estilo Nature com carpetes. Agora, a Glossostigma Elatinoides é uma das plantas mais populares, para primeiro plano do aquário, no mundo.Esta pequena planta é razoavelmente fácil de crescer em aquários com forte iluminação e injeção constante de CO2. Quando se tem boa iluminação (pelo menos 1 watts por litro, ou preferivelmente mais), esta planta crescerá rapidamente cobrindo todo o substrato do aquário. Quando se tem uma iluminação fraca, a Glossostigma responderá crescendo verticalmente procurando iluminação mais intensa. Para um crescimento rápido e vigoroso, esta planta prefere adições regulares de nitrato (5 ppm ou mais), de Fosfato (0.5 ppm ou mais), e de Ferro na coluna de água. Esta planta responderá ao baixo nível de Nitrato com amarelamento das folhas e perdendo prematuramente suas folhas mais velhas. Os baixos níveis de Fosfato resultarão em um crescimento lento e em uma obscuridade - cor verde profundo. Quando não se tem um nível regular de Ferro e Elementos traço, as folhas crescerão transparentes e fracas.Ao comprar Glossostigma ela está geralmente no seu estado emerso, com isso plantar as hastes em grupos de três a quatro e esperar duas semanas para que as folhas no estado imerso começam a aparecer. A planta deve começar a crescer horizontalmente e cobrir o substrato em poucas semanas tendo boa iluminação, fornecendo-se o CO2 regularmente e os nutrientes.

domingo, 15 de fevereiro de 2009

Meus Discus...

(Femea white pigeon)

Bom, ontem (14/02/09), fui buscar um novo disco.... uma femea white pigeon, com aproximadamente 10 cm ja... mto bonita. (Acima)

(Femea blue turquesa)
Legal que ela veio pra continuar meu projeto de reproduçao desses peixes fantasticos,,, sao meio doidinhos, encanados, desconfiados, e corajosos...

Tenho outra femea Blue turquesa, que ela tem o temperamento tao forte, que as vezes quando chego perto do aquario, ela vem e faz uma cara, " qual é?" , e fica encarando rs.


Esse ao lado, é o unico macho, o Andy, um disco panda... peixe bem calmo, eu acho que ele vai acabar formando casal com a white pigeon, pq ja mora faz um bom tempo com a blue turquesa e nao rolou nada....



( Macho Panda)

Eis aqui a rapaziada em uma foto tosca, mas que mostra a interação deles no primeiro dia da white pigeon... comeram todos numa boa, sem nenhuma perseguição... boa sorte e mta catuaba pra rapaziada rs!
























sexta-feira, 13 de fevereiro de 2009

Higrofila Sunset - Hygrophila polysperma 'Rosanerv


Nome: Hygrophila polysperma 'Rosanervig'
Cuidado : Fácil
Cascalho:Simples
Iluminação : Média.
Origem: Cultivar Doméstica
pH: Indiferente
temperatura :20 a 28°C
dH: Baixo
substrato: Rico
movimentação da água: Favorável
Também conhecida como Higrófila Sunset, é uma variação da Hygrophila polysperma e se difere pela sua coloração rosada. Planta de fácil manutenção e crescimento rápido, mas requer boa iluminação para se obter uma coloração rosada.

Nymphaea sp. 'rubra'


Nymphaea sp. 'rubra'
Nome: Nymphaea sp. 'rubra'
Familia: Nymphaeceae
Origem: África
Cuidado: Medio
Cascalho: simples
Altura: 20-70 cm
Iluminaçao :fraca
Substrato: fertil
CO2: sim
pH : 5-8
Temperatura: 20-30 Celsius
Propagação: Mudas em rizoma
Crescimento medio. Uma folha por semana aproximadamente.
Posição : Meio.
Obs:Considerada sagrada para os Egípcios, Nymphaea lotus var. rubra é uma das mais belas plantas para criar contrastes no aquário, colocando-a à frente de outras plantas de cor verde claro. Sua cor vermelha torna-se mais intensa quanto mais forte for a iluminação, apesar de que meu aquário tem 0,6 W/L e sua coloração é bem forte. Uma lâmpada de tom ligeiramente azulado na frente, como a Gro-lux, deixa suas folhas com aparência ligeiramente roxas, ficando ainda mais bonita. Não é muito difícil de cuidar e não requer substrato especial para crescer bem. Gosta de pH ligeiramente ácido entre 6,4 e 7,0, apesar de crescer bem no meu aquário com pH 6,0. Se você deixar bastante espaço em torno da planta ela vai se espalhar lançando novas folhas para todos os lados, formando um grande "disco" vermelho.

Giant Moss - Taxiphyllum sp.


Giant Moss - Taxiphyllum sp.
Nome popular:Giant Moss
Nome cientifico- Taxiphyllum sp. (?)
Temperatura: 15 a 28ºC
Iluminação: Média (0,7 watt/lt)
Ph: 5.5 a 9.0 Tamanho: 1 a 5cm
Dureza: Media.
Crescimento: Medio, aumentado com intensa iluminação.

Weeping Moss - Vesicularia ferriei

Família: Hypnaceae
Continente de origem: Ásia
Altura: 2~5cm.
Largura: 2 + cm.
Iluminação: fraca a intensa
Temperatura: 15~28 °C
PH: 5~8
Velocidade de crescimento: lenta
Cuidados e manutenção: médio
Comentários:Este musgo, conhecido popularmente por “Weeping moss”, é o sonho de qualquer aquapaisagista. Delicado, de coloração verde vibrante, forma moitas que se assemelham a pequenos pinheiros. Suas ramas formam cachos que lhe conferem um aspecto inconfundível. Deve ser amarrado a pedras ou troncos, e como todo musgo deve receber manutenção constante, seja em podas ou limpeza de partículas que aderem às suas folhas, mas sem dúvida é um trabalho compensador.

Nano Moss - Amblystegium serpens


Familia: Amblystegiaceae
Origem: Europe, North America
pH 5-8,
Dureza: Indiferente
Temperatura: 5-28°C
Crescimento: Alto com iluminação intensa.

Musgo de Java - Taxiphyllum barbieri


Musgo de Java - Taxiphyllum barbieri
Nome popular: Musgo de Java
Nome científico: Taxiphyllum barbieri
Família: Hypnaceae (Hipnáceas)
Origem: Cosmopolita
Crescimento: médio
Plantio:Geralmente preso em pedras e/ou galhos.
Iluminação: min 0.3 W/L
pH: 6.0 a 7.5
Temperatura: 18 a 30ºC
Porte: pequeno
Zona: frente- meio-fundo
Reprodução: corte e divisão dos tufos
E ESSE AQUARIO É MEU!

Willow Moss - Fontinalis antipyretica


Nome Popular: Fontinalis
Nome Científico: Fontinalis antipyretica
Família: Fontinaláceas
Habitat: Cosmopolita
pH: 6.0 a 7.0
GH: 4 a 20
Temperatura: 15º a 30ºC
Substrato fértil: Sim
Iluminação: Fraca
CO²: Sim
Porte: 50cm
Posição no aquário: Fixado em troncos e pedras Manutenção: Fácil Reprodução: Por divisão da massa ou por estolhos Características: Musgo resistente , usado como efeito decorativo em pedras e troncos.Bom desenvolvimento mesmo em baixas condições de iluminação e sem injeção de CO2.Se não for podado , pode crescer muito.

Singapura Moss - Vesicularia dubyana

Nome genérico: Singapura Moss
Nome científico: Vesicularia dubyana
Familia: Hypnáceas
Origem: Sudeste asiático
Iluminação: 0,3 W/L
pH min : 5,5 max : 7,5
Temperatura min : 20ºC max : 28ºC
GH min : 4 max : 15
Tamanho: indeterminado
Posição no aquário : Fixado em troncos ou pedras.
Manutenção: Fácil
Características : Talo vegetativo , muito ramificado , formando grandes massas esverdeadas que se aderem à estruturas (pedras,troncos,canos e outras plantas) através de rizóides.Muito usado em decoração de plantados , pelo belo efeito visual que dá aos troncos em que é amarrado.Pode reter sujeira em suspensão ou algas filamentosas, o que pode prejudicar esse efeito visual.Adapta-se bem a baixa iluminação e aos mais variados parâmetros de água , embora prefira água mole e ácida.
Reprodução: Por esporos ou divisão da massa.

Barclaya longifolia red

Nome popular: Barclaya Red
Nome científico: Barclaya longifolia
Família: Nymphaeaceae (Ninfeáceas)
Origem: Sudeste asiático (Burma, Tailândia e Vietnam)
Crescimento: médio
Plantio: solitária ou grupo
Iluminação: 0.5 W/L
pH: 6.0 a 7.0 Temperatura: 22 a 28ºC
Porte: grande Zona: meio
Reprodução: semente ou ramificação do rizoma

Micranthemum umbrosum

Micranthemum umbrosum
Nome genérico: Umbrosum
Nome científico: Micranthemum umbrosum
Família: Scrophulariáceas
Origem: Estados Unidos
Iluminação: 1 W/L
pH min : 5,5 max : 8
Temperatura min : 20ºC max : 26ºC
GH min : 4 max : 12
Tamanho: 15 cm
Posição no aquário : Meio
Manutenção: Média
Características : Planta de folhas redondas e esverdeadas.Necessita de CO2 , boa intensidade de luz e substrato fértil para um dom crescimento.Requer também podas de formação.Plantada em grupo , no meio e fundo do aquário.
Reprodução: Por estaquia.

Najas guadalupensis


Nome genérico: Naja
Familia: Hydrocharitháceas
Origem: América do Norte
Iluminação: 0,5 W/L
pH min : 6,5max : 8,5
Temperatura min : 20ºC max : 28ºC
GH min : 2 max : 12
Tamanho: 30 cm
Posição no aquário :Fundo.
Manutenção: Fácil
Características : Planta de fácil cultivo , barata e resistente.Recomendada para iniciantes.Apresenta folhas finas ,verdes , que na presença de muita luz pode apresentar tons avermelhados.De crescimento rápido , pode ser fixada no substrato ou deixada flutuando no aquário.Não necessita de substrato fértil , CO2 ou iluminação intensa. Reprodução: por brotação lateral.

Hemianthus callitrichoides 'Cuba'

Hemianthus callitrichoides 'Cuba'
Família: Scrophulariaceae
País de origem: Cuba
Altura: 1 a 3 cm.
Largura: 3 a 5 cm.
Iluminação: média a intensa
Temperatura: 18~28 °C
PH: 5~7,5
Velocidade de crescimento: médio
Cuidados e manutenção: difícil
Comentários: Uma planta que tornou-se uma febre mundial no meio dos aquapaisagistas de ponta. Produz um carpete de efeito impressionante, muito compacto e de aspecto vibrante. Necessita de fertilização líquida para um desenvolvimento saudável. Deve ser plantada em pequenos “tufos” separados por alguns centímetros. Iluminação de qualidade, substrato fértil e injeção constante de CO2 são indispensáveis. Pela dificuldade de manutenção e porte, é indicada para aquários pequenos (nano-gardens).

Lentilha D'água - Lemna minor


Nome Popular: Lentilha d´água
Nome Científico: Lemna minor
Família: Lemnáceas
Habitat: Cosmopolita
pH: 5 a 9
GH: 2 a 25
Temperatura: 10º a 30ºC
Substrato fértil: Não
Iluminação: Forte
CO²: Não
Porte: 1cm
Posição no aquário: Superfície
Manutenção: Fácil
Reprodução: por plantas adventícias
Características: Planta de superfície de folhas planas , verde-claras com pequenas raízes.De multiplicação rápida , sob luz intensa chega a ser considerada praga.Em lagos , pode ser controlada por Kinguios que a apreciam.

Ludwigia sedoides

Ludwigia sedoides
Familia: Onagráceas
Origem: Américas do Sul e Central
Iluminação: 0,5 W/L
pH min : 6 max : 7
Temperatura min : 25ºC max : 30ºC
GH min : 4 max : 10
Tamanho: 20 cm
Posição no aquário : Superfície
Manutenção: Fácil
Características : Planta de caule fino , avermelhado e de folhas flutuantes triangulares , verdes e/ou avermelhadas dispostas como um mosaico , de onde lhe vem o nome.Não neccessita de muita luz , sendo indiferente às condições de substrato e injeção de CO2.Pode apresentar pequenas flores amareladas.
Reprodução: Por estaquia.

Rorippa aquatica


Rorippa aquatica
Nome cientifico:Rorippa aquatica
Nome popular:Rorippa aquatica
Familia:Brassicacee.
Habitat:Grande parte dos Estados unidos, Comuns em aguas com pouca agitação e densamente plantadas.
Tamanho: Acima de 30 cm (pode chegar a 50cm)
Iluminação: 0,7 wats/litro ou maior.
Temp: 18 °C - 25 °C
pH range: 7-7.5
Dureza: Media, de 10-15 dH
Posiçao no aquario: Meio/Fundo.
Dificuldade: Media. Planta ideal para paludarios, que aquarios, sua adaptação ao aquario é problematica e seu crescimento é lento.
Cuidados: Rorippa aquatica, necessita de substrato rico. Reprodução: Multiplica-se por brotos adventícios.

Aponogeton rigidifolius

Nome científico: Aponogeton rigidifolius
Dimensões :35,0 cm a 85,0 centímetros
Descrição: rigidifolius é uma planta bastante delicada. Ela exige condições especiais de manutenção. Deve ser colocado onde existem correntes como a saida do filtro. Ele requer um solo sem fertilizantes com cascalho não muito grosso. É essencial para crescer em boas condições, um abastecimento regular de CO2 e, se possível, fertilizante líquido. É uma planta que o rizoma não deve ser enterrado no substrato. Não é exigente quanto iluminação, mas desevolve-se melhor com boa iluminação. Ao adquirir a planta, tenha certeza que o rizoma é maior que 10 cm .
Origem: Sudeste da Ásia - Sri Lanka.
Temperatura: 22 ° C para 28 ° C
pH: 5,50 a 8,00
Dureza: 11 ° a 15 ° d GH
Substrato:Cascalho fino
Iluminação: Média
Crescimento: Lento
Reprodução: Através de brotos laterais do rizoma.

Echinodorus sp. "Kleiner Bar" (Echinodorus Ursinho

Nome popular: Echinodorus Ursinho
Nome científico: Echinodorus sp. "Kleiner Bär"
Família: Alismataceae (Alismáceas)
Origem: Híbrido
Crescimento: médio
Plantio: solitária
Iluminação: 0.7 W/L
pH: 6.5 a 7.5
Temperatura: 22 a 28ºC
Porte: grande
Zona: meio ou fundo
Reprodução: plantas adventícias nas hastes florais

Echinodorus tenellus


Echinodorus tenellus
Nome popular: Tenelus
Nome científico: Echinodorus tenellus "tenellus"
Família: Alismataceae (Alismáceas)
Origem: América (Sul dos Estados Unidos até a Argentina)
Crescimento: médio
Plantio: grupo
Iluminação: 0.75 W/L
pH: 5.5 a 7.5
Temperatura: 24 a 30ºC
Porte: pequeno
Zona: carpete frente
Reprodução: por estolho

Seguidores

Ocorreu um erro neste gadget
 
Locations of visitors to this page